Proibido lamentar-me - Birras em Direto

Proibido lamentar-me

Aqui dizem que estou sempre com um sorriso na cara, que encaro cada adversidade com muita facilidade e que, por isso, estou a aguentar tão bem. Os meus amigos ficam incrédulos como consigo estar tão descontraída perante tantos acontecimentos, a minha família quando me vê mais cansada estranha logo e acha que já é algo de muito grave. Mas não é. Apenas começo a ficar farta e acho que é perfeitamente normal sentir-me assim. Um mês, minha gente! Amanhã faz um mês que estou internada!!!

As contrações são mais que muitas e os enfermeiros até ficam incrédulos como não me queixo. Todos os dias entram e saem senhoras para ter os seus bebés e, por isso, já conheci mais novas mamãs desde que estou aqui. Uma autêntica viagem pelo mundo sem sequer sair deste quarto: Paquistão, Roménia, Guiné, Angola, Cabo Verde, Brasil. Estas senhoras, ao contrário de mim, permanecem apenas dois ou três dias e, mesmo assim, acabam por chorar, porque não aguentam ficar aqui fechadas. Falam das suas culturas e o quanto lhes faz impressão adaptarem-se à nossa, lamentam-se e contam a sua história, choram constantemente agarradas aos namorados e ao telefone com as mães. Quando ouvem a minha história não querem acreditar e rapidamente me transmitem que não aguentavam. Como assim, não aguentavam? Pela saúde dos vossos filhos não aguentavam? Iriam chorar e lamentar-se diariamente para tudo isso ser passado para eles e dificultar toda a terapêutica para os aguentar o máximo de tempo na vossa barriga? Às vezes tenho mesmo de me desligar dos comentários alheios, porque são muito desmoralizantes.

Todos os dias repito a minha história e todos os dias vejo a reação de surpresa na cara das pessoas. Também já apanhei aqui senhoras que me falam imenso do trabalho que irei ter e a aconselharem para descansar agora no hospital, porque depois a minha vida irá virar o caos. Obrigada, sim?

Há uma senhora que me pergunta diariamente se eles já nasceram… Cansada da mesma resposta, já levo aquilo com tranquilidade, já percebi que deve ser algum tipo de distúrbio, porque me repete a história da nova nora 1000 vezes. Tem gémeos, são terríveis, mal-educados. Que os gémeos são todos assim. Não os quer em casa porque não são netos, destroem tudo e para me preparar. Desconto Marta,ok? Dá um desconto e ouve apenas aquilo que te interessa, o que nesta conversa é 0.

Mas, realmente detesto lamentar-me e as pessoas que me conhecem sabem disso. É algo que não faz parte de mim, detesto fazer-me de vítima, no entanto há coisas que tenho mesmo de falar.

Das saudades que tenho de me sentir bem comigo própria, bonita, arranjar-me. Olhar-me ao espelho, algo que não faço há um mês! (mas porque raio não existem espelhos aqui?); Saudades de caminhar, pois não posso andar mais que um metro até ao WC. E já com muita sorte, porque inicialmente nem podia sair da cama; Saudades de um abraço como deve ser, que agora com este barrigão não dá jeito nenhum; Saudades de adormecer o meu filho e de enrolar o seu pequenino braço no meu pescoço; Saudades da minha casa, das minhas coisas. É impressionante como começamos a dar valor a coisas mais pequeninas.

Será egoísmo dizer que tenho tantas, mas tantas, saudades da minha vida? Se por um lado estou ansiosa por ir para casa e estou confiante que vamos conseguir organizar-nos bem, por outro quero que aguentem o máximo aqui no hospital dentro de mim. Desculpem esta minha contradição, mas é muito tempo a pensar no mesmo.

Mas vá, continuo bem! Apenas me dói o corpo de ficar deitada o dia inteiro. E, felizmente, estamos a chegar às 32 semanas  Só de pensar que entrei com 27!

Meninas desse lado, que vos tenha acontecido o mesmo ou parecido, como passaram o tempo? Já vi as séries todas da Netflix (exagero, é certo, mas pouco faltou!), já estou farta de ler revistas e a concentração para os livros está a ficar cada vez mais reduzida! Ajudem, por favor, aceitam-se sugestões.

Beijo

Lê também estes Artigos

Sem Comentários

Deixar Resposta