As histórias da minha história - Birras em Direto

As histórias da minha história

Ontem, escrevi-vos sobre as grávidas que entravam neste serviço e, apesar da curta estadia, se lamentavam como se não houvesse amanhã. Hoje, quero falar-vos sobre uma situação mais caricata e que está relacionada com visitas inconvenientes. Mas como assim? Perguntam vocês. Preparem-se…

Como neste quarto sou a que está há mais tempo internada, já repeti a minha história dezenas de vezes. E só num dia pode acontecer que entrem ou saiam três grávidas neste espaço Mas até aí tudo bem. A curiosidade é normal e, mais do que isso, a comunicação entre nós é muito importante. Para além da força extraordinária que nos passam os profissionais deste serviço, também é fundamental que nos apoiemos umas às outras. Mas, por vezes,não é só isso que acontece.

Eis que entra no quarto a mãe de uma grávida, muito simpática, por sinal, mas muiiiito curiosa (para não dizer outra coisa!). Enquanto vou partilhando a minha história começam a surgir alguns comentários que, digamos assim, podiam ser evitados, desnecessários mesmo, mas como já estou habituada sorrio, desconverso ou discordo educadamente. Pensei que tivesse ficado por ali, mas não. A senhora ficou o dia inteiro junto da filha e, à medida que iam entrando mais pessoas da mesma família, fazia questão de partilhar com toda a gente (sem exceção!)  a minha história. E, como é natural, isto não me deixou muito satisfeita.

Algumas reagiam, outras sentiam-se constrangidas por não acharem normal esta situação e o que esta senhora, de língua mais afiada, me estava a fazer. A filha grávida nada fazia, era tudo muito normal, porque estará mais do que habituada. Já cansada da situação, nem sequer sorria mais quando esta senhora se aproximava para contar novamenteminha história a outro desconhecido. Já me sentia uma autêntica atração de circo, confesso-vos. Senti-me ridícula. E a coisa ainda piorou. Quando voltamos a estar sós, as três no quarto, esta mesma senhora decide fazer uma chamada e acho que vocês já são capazes de adivinhar qual foi o tema da conversa a minha história! Sobre a filha, por exemplo, nem uma palavra.  Só pensei: “Isto não me está a acontecer…”.

No final do dia, contudo, ainda me consegui rir bastante do sucedido e até andei a olhar para todos os cantos do quarto em busca de uma câmara dos apanhados.

E vocês? Tenho a certeza que também têm histórias, mais ou menos caricatas, mais ou menos engraçadas, ocorridas durante a vossa gravidez para partilharem comigo, por isso contem-me tudo!

Beijinhos

Lê também estes Artigos

Comentários (2)

  • Susana Fernandes 3 meses ago Responder

    Olá bom dia! Acho que hoje em dia as pessoas esqueceram de se colocar no lugar do outro . Toda a situação que se passou consigo tinha sido evitada . Das minhas três gravidezes a situação pela qual passei foi com a minha gravidez do meio. mais caricato foi uma mãe que tinha acabado de parir tinha ela levado epidural tocava a toda a hora e a berrar pelas enfermeiras por tudo e por nada aquando a médica veio fazer a revista ,pega e entre pela a doutora que me estava a ver e toca a abrir cortina 😕😕.
    A seguir para terminar veste uma camisa de dormir daquelas curtas de cetim vermelho com as cuecas descartáveis com posições inadmissíveis de serem vistas e presenciadas por quem quer que fosse .😠😠😠e para ter o seu momento de circo dos horrores não deixava fechar o cortinado bem que eu tenta se o fechar bem como os meus familiares.
    Beijinhos grandes para vocês e tudo a correr pelo bem .💖💙👍👍👍💪💪💪

  • Claudia 3 meses ago Responder

    Como se diz na minha terra…cusca….
    Nos quando estamos grávidas somos o centro das atenções, principalmente quando já temos dois filhos e gravida de outro…foi o meu caso
    Eu ouvi de tudo…tipo…
    Neste mundo três filhos UI…tadinha
    Vocês não pensam três filhos…
    Oh cuitada…
    Ate mesmo uma enfermeira me disse….três filhos não acho q é MT?… O meu marido respondeu lhe logo…vim aqui pedir lhe alguma coisa foi?…
    Enfim é mais fácil criticar do q fazer ….
    Não ligue , mas n somos obrigadas a ouvir certas coisas

Deixar Resposta