Birras em Direto - Página 2 de 22 - Birras de um puto de 2 anos e de uma mãe de 31 :)

Como preparar uma escapadinha em família (com bebés)? Eu ajudo.

Quem tem acompanhado as minhas redes sociais sabe que no passado fim de semana fizemos uma escapadinha, em família, até Coimbra. Marquei hotel, fiz as malas e, contra a “opinião do mundo”, lá fomos nós passar uns diazinhos fora.

E sabem porque coloco as coisas nestes termos? Porque foram muitos os que nos chamaram de loucos por levarmos dois bebés, de dois meses, a passear com este frio, numa viagem de praticamente duas horas que, segundo estes, iria ser bastante cansativa. Mas não lhes demos ouvidos e arrancámos com a maior das certezas. Adoramos viajar e, como ainda não é possível fazê-lo para fora do país, quisemos ir descobrir mais um pouco deste nosso Portugal. O nosso país é lindo!

Sair à rua sozinha com os gémeos? Check!

Fotografia Sugar & Soul Photography

Hoje venho falar-vos das minhas saídas com os gémeos. Só eu e eles. Podem chamar-me maluca, até porque ultimamente já me habituei a que o façam. Mas eu sempre preferi arriscar ao invés de ficar na zona de conforto. Sou mesmo assim.

São muitas as pessoas que me perguntam como é possível, quando nem só com um se atrevem a sair de casa. Acreditem, prefiro tentar fazer a minha vida normal do que lamentar-me que não tenho capacidade para tal. Tudo exige uma adaptação e é isso que estou a fazer, a adaptar a minha vida a eles e a tentar que eles também se adaptem às minhas rotinas. Não sou extremista ao ponto de os forçar adaptarem-se a TUDO, até porque não concordo com isso. Mas tenho ouvido muitas opiniões nesse sentido.

O trabalho que dá ser uma Super-Mãe

Fotografia Sugar & Soul Photography

A exigência da sociedade para que sejamos mães e mulheres perfeitas é tanta que, por vezes, me esqueço que sou feita de carne e osso como qualquer outra pessoa. Tento fazer tudo, e mais alguma coisa, para que todos fiquem satisfeitos, mas não sou a “super-mulher”. É difícil quando o cansaço se apodera de nós e acabamos por ceder, apesar de sabermos que isto não pode ou não deveria acontecer porque temos filhos a dependerem de nós. Mas nunca nos devemos esquecer que para conseguirmos cuidar de alguém temos antes de cuidar de nós. 

A melhor história da nossa história

Este ano tem sido muito especial, sobretudo no que respeita à maternidade. Se me dissessem, há precisamente um ano atrás, que, em 2018, seria mãe novamente e logo de dois birras ao mesmo tempo nunca acreditaria. É, também por isso, uma sensação única e inexplicável. 

Quem acompanha o blogue sabe que os oito meses de gestação se traduziram em batalhas diárias. Os gémeos quiseram nascer mais cedo e tive de ser internada durante dois meses para os aguentar mais tempo “no forninho”. Felizmente, tudo correu bem e nasceram fortes e saudáveis. Cumpriu-se, assim, um dos nossos maiores desejos. 

Como gerir ciúmes entre irmãos? Dicas aceitam-se.

Os ciúmes do Rafael ainda não chegaram, mas parte-me o coração saber que não consigo dar-lhe a atenção que ele quer.

O meu pai vai busca-lo todos os dias à escola e todos os dias ele janta na casa dos meus pais, uma ajuda fundamental que nos permite ter tudo ainda mais organizado. Chega à nossa casa por volta das 19h30 / 20h e quer logo brincar connosco, mas nem sempre é possível por causa dos manos. Para tentar contornar esta situação, tentamos fazer com que o Rafael também faça parte destes momentos em que tratamos dos gémeos. Estamos conscientes que não é suficiente, porque uma criança da idade dele precisa de brincar mesmo, mas não deixa de ser uma tarefa em que estamos todos juntos e isso já nos deixa a todos bem mais felizes.

Prioridades trocadas que mexem comigo!

Acho incrível a insensibilidade evidenciada por algumas pessoas na hora de definir / dar prioridades. Durante a gravidez não me quis chatear com este assunto, e raramente tomei atitudes, a não ser quando me incomodava seriamente, mas muito me arrependo. O meu marido chegou a chatear-se com isto, porque as pessoas fingiam que não viam que estava grávida e outras chegavam mesmo a dizer que não era doença.  Típico, portanto!

Quando o Rafael nasceu, não me aproveitei minimamente da minha condição. Só passava à frente quando ele estava mesmo muiiiiito irrequieto. Agora, com os gémeos, mudei totalmente a minha postura e chego a exigir. Faço-o porque é um direito nosso e este é o único momento em que podemos usufruir dele.

O truque é descomplicar

Nos últimos dias tenho andado a pensar na mãe que me tornei. Isto porque me sinto diferente e, confesso-vos, para melhor.

Quando o Rafael nasceu tudo era novidade. Queria fazer a maioria das coisas sozinha e ficava frustrada quando não conseguia. Chorava ao ritmo dele e parecia carregar o mundo nos ombros, na alma, porque tudo parecia tão complicado. Era mãe de primeira viagem e tudo era novidade, uma autêntica aventura.

Desta feita decidi que tudo seria diferente. Era imperativo melhorar certas atitudes e evitar alguns erros. Sei que amadureci, sei que muitas coisas já não são propriamente novidade, mas estar com os gémeos durante o dia sozinha levantava-me dúvidas sobre se iria dar conta do recado.

Fui mãe, e agora como me olho ao espelho?

Olhar-me ao espelho, ultimamente, não tem sido nada fácil, embora saiba que estas marcas no meu corpo espelham uma grande luta e amor.

Esta gravidez foi bastante difícil, a nível psicológico e físico, e passei por momentos bastantes complicados. Preparei-me para toda a logística que iria ter no futuro mas esqueci-me de me preparar para o reflexo que iria ter no espelho. Estou assustada e a tentar processar tudo e a aceitar(-me).

A minha barriga cresceu bastante, a pele esticou até ao seu limite, e as estrias apareceram nas duas semanas antes do parto. Na altura não valorizei, o foco era outro, mas hoje a realidade é outra.

Hoje, decidi fotografar-me, e encarar-me sem medos. Esta sou eu, agora. Mais pesada é certo, com outras formas, mas também mais recheada de amor. Não me sinto feia, não poderia fazer isso comigo (não o façam também, todas somos lindas), mas não estou confortável com a minha pele.

Parto ou amamentação. Qual custa mais? Eu digo-vos.

Perdi a noção de quantas vezes me perguntaram se estava a amamentar os gémeos e decidi fazer um artigo sobre o tema. Atenção, este texto reflete apenas aquela que foi / tem sido a minha experiência. Em nenhum momento estarei a generalizar seja o que for.

A amamentação do Rafa já tinha sido um processo complicado, porque não tive um bom acompanhamento no pós-parto, era “marinheira de primeira viagem”, não sabia o que significava uma boa pega para o bebé e, consequentemente, não sabia se ele estaria bem alimentado. Naturalmente, o Rafa perdeu mais de 10% do peso esperado nos primeiros dias. A descida do leite deu-se cinco dias após o seu nascimento e até lá foi introduzido suplemento. Ao que parece, os meus mamilos não eram bons para a pega por não serem proeminentes. Tenho implantes e, mal desceu o leite, tive dores horríveis, chorava de manhã à noite, porque estes estavam a fazer uma grande pressão. Ainda assim, aguentei até aos dois meses e meio que o Rafael mamasse no meu peito e bebesse suplemento.

O Rafa superou as melhores expectativas

Cheguei a escrever sobre os ciúmes que o Rafael poderia vir a sentir dos irmãos e até sobre a forma de preparar os manos mais velhos para a chegada dos mais novos, mas, sinceramente, foi sempre um tema que me deixou algo apreensiva. Sempre receei que o meu birras mais velho se comportasse de uma forma diferente após o nascimento dos irmãos e não me perguntem porquê. Ele só tem três anos e sempre foi muito ciumento quando outras crianças estão por perto, mas, confesso, estava à espera que fosse pior. É certo que o preparámos durante os oito meses de gravidez e desde o nascimento sempre nos esforçámos para que não se sentisse minimamente excluído, mas a verdade é que o resultado superou, e muito, as nossas expectativas. Ainda que não seja muito justo sermos nós a ficar com todos os louros, porque muito vem da essência especial deste menino que tem tanto de birrento como de amoroso.