A Cozinha da Marta Varatojo, Uma Cozinha Macrobiótica e Deliciosa - Birras em Direto

A Cozinha da Marta Varatojo, Uma Cozinha Macrobiótica e Deliciosa

Chegou às minhas mãos um livro que devorei da primeira à última página, que me fez pensar na alimentação aqui em casa e em como podemos adotar um estilo de vida mais saudável. “O livro de Cozinha da Marta“, este é o nome, nele podemos encontrar receitas deliciosas, dicas práticas e ainda informação sobre a importância dos alimentos para o nosso bem-estar e para a nossa vida. Parei para pensar, se seria fácil esta adaptação familiar, mas acima de tudo pensei sem qualquer dúvida que a mudança seria para melhor. Falei com a Marta Horta Varatojo, a autora do livro e tentei perceber um pouco mais sobre a Dieta Macrobiótica.

Como surgiu o teu interesse pela Alimentação Macrobiótica?

A Macrobiótica faz parte da minha vida desde sempre. Desconfio que o meu interesse se manifestou antes de eu existir como pessoa, porque assim que cheguei a este mundo já estava completamente envolvida neste meio. Os meus pais, Geninha e Francisco Varatojo, são pioneiros nesta área e os fundadores do Instituto Macrobiótico de Portugal. Fui educada segundo os princípios da filosofia macrobiótica e, até hoje, nunca deixou de fazer sentido, muito pelo contrário, quanto mais estudo, pesquiso e faço experiências mais me apaixono por esta forma de vida.

Que tipo de alimentação é esta?

A macrobiótica é mais do que uma dieta, é uma filosofia de vida que nos dá ferramentas preciosas, como a teoria do Yin Yang, e nos ensina a fazer escolhas conscientes e sustentáveis.

Na alimentação macrobiótica come-se aquilo que se considera ser biologicamente mais compatível com o ser humano.

Deve ter-se em conta o enquadramento geográfico e climático: escolher alimentos locais, sazonais e biológicos.

A alimentação deve ir ao encontro do estilo de vida e condição de saúde de cada um, deve adaptar-se a dieta, às necessidades individuais de cada pessoa. Para algumas pessoas jejuar é a melhor terapia; para outras, comer bastante variedade e alimentos mais ricos é a solução mais indicada.

A pirâmide alimentar macrobiótica tem como base os cereais integrais, os vegetais e as leguminosas, as algas e os pickles, e inclui também sementes, óleos de boa qualidade, adoçantes naturais e frutos. Podem incluir-se alguns alimentos de origem animal, como o peixe, mas é opcional. Não existem alimentos proibidos, mas existem alimentos que são recomendados para consumo diário e outros para uso ocasional, ou pouco frequente.

Quais são as vantagens de seguirmos esta filosofia de vida?

As vantagens são inúmeras! Uma alimentação saudável promove uma maior qualidade de vida a vários níveis, emocional, físico e espiritual. A alimentação macrobiótica é sustentável e amiga do ambiente. Os nossos hábitos alimentares têm um impacto enorme na ecologia do nosso planeta e agora, mais do que nunca, é urgente agirmos e estarmos atentos a estas questões.

A famosa frase de Hipócrates: “Somos o que comemos.”, expressa muito bem a importância de uma alimentação saudável e consciente. Nós somos literalmente o que comemos, os alimentos que ingerimos transformam-se no nosso sangue, que vai banhar todas as nossas células, órgãos do corpo e sistema nervoso, responsável pela forma como percepcionamos e interagimos com o meio à nossa volta. Costumo dar o exemplo do café, quando se bebe um café sente-se imediatamente o seu efeito no nosso organismo, é um estimulante e, portanto, ficamos mais despertos, activos, criativos. Com os outros alimentos passa-se exatamente o mesmo, cada alimento em si confere um determinado tipo de energia à pessoa que o ingere, simplesmente o seu efeito não é tão imediato como o do café. Desta forma, podemos escolher os alimentos consoante a forma como nos queremos sentir, mais ativos ou mais relaxados, e isso é, na minha opinião, uma das grandes vantagens da macrobiótica. A alimentação pode ser uma das ferramentas mais eficazes para criarmos verdadeira mudança interna e sermos ainda mais felizes.

Quando decides que o teu conhecimento sobre este tipo de alimentação deve ser partilhado com o público?

Em 2009 comecei a dar aulas de culinária particulares em casa de uma cliente, que acabou por se tornar uma grande amiga. A cozinha dela é um sonho para qualquer pessoa que goste de cozinhar, recheada com os melhores ingredientes e uma imensa variedade de vegetais biológicos. Esta experiência foi o ponto de partida, um autêntico atelier criativo. Foi nessa fase que comecei a desenvolver mais receitas, a aperfeiçoá-las e a partilhar no meu blog, macroexotic.com.

Depois, comecei a cozinhar para eventos, a dar aulas para grupos maiores e a partir daí tudo fluiu muito naturalmente.

Lançaste “O Livro de Cozinha da Marta“, como foi o feedback das pessoas?

Este livro tem sido uma aventura deliciosa. O feedback das pessoas superou completamente as minhas expectativas, tem sido muito positivo. O livro já vai agora na 4ª Edição, e isso, só por si, já responde à questão.

Sentes que já mudaste os hábitos alimentares de muitas pessoas?

Bom, pela quantidade de cursos e workshops que já dei, e com a saída do livro, acho que posso dizer que sim. Também vou recebendo e-mails e mensagens muito queridas de leitores a contar as suas histórias pessoais e a agradecerem. Cada vez que recebo uma mensagem de um leitor fico de coração cheio, a transbordar.

Que workshops costumas dar e onde?

Dou Cursos de Iniciação à Culinária Macrobiótica e também workshops temáticos: Sobremesas, Pequenos-Almoços, Snacks. Tenho um espaço em Leiria, onde vivi e onde continuo a ir dar aulas com regularidade. Também dou aulas no Instituto Macrobiótico de Portugal, em Lisboa, naquela que é a minha 1ª casa e um dos meus lugares preferidos no mundo.

Qual o teu maior objetivo?

Sempre fui de andar ao sabor da onda, sem grandes planos, faz parte da minha natureza, gosto de ser surpreendida pela vida. Tive muitos sonhos e paixões, acho que na adolescência me interessava por algo novo e diferente todos os meses… definir um rumo, ou objectivos claros, era difícil para mim, mas isso mudou agora há muito pouco tempo.

Em Julho de 2017 a minha vida mudou drasticamente de um momento para o outro. Perdi o meu Pai num acidente de mergulho… e é difícil acreditar que isto aconteceu mesmo, tem sido um processo desafiante e muito intenso, ainda hoje sinto que estou a viver numa realidade paralela.

O meu Pai era uma pessoa muito, muito especial, uma verdadeira força da natureza. Muito cedo descobriu a sua vocação e dedicou-se inteiramente, e de forma apaixonada, à sua Missão de Vida, a levar a filosofia Macrobiótica aos quatro cantos do mundo. Eu sei que sou suspeita, mas, para mim, ele era o melhor do mundo nesta área. Um visionário, um comunicador nato, com uma sabedoria e cultura geral fora do comum, e também um exemplo de integridade, humildade e generosidade. O entusiasmo com que vivia a vida era contagiante e inspirava todos à sua volta… e durante a sua vida, inspirou e mudou milhares de vidas. O meu pai não teve uma vida muito longa, mas não desperdiçou um minuto dos anos de vida que teve.

Desde que perdi o meu Pai, e pela primeira vez na minha vida, ganhei um sentido de Missão muito forte. Tornou-se a minha Missão pessoal garantir que o seu legado seja honrado e farei tudo ao meu alcance para que o Instituto Macrobiótico de Portugal (IMP), o seu projecto de vida, se mantenha vivo, de boa saúde e a crescer, é esse o meu maior objectivo.

Também gostava muito de abrir um IMP no campo daqui a uns anos. Andávamos a falar nisto e o meu Pai adorava a ideia.

Eu já tenho vontade de ir viver para o campo há algum tempo, cada vez me faz mais sentido e acredito que é por aí o caminho, viver com mais calma, com os pés na terra e uma maior conexão com a natureza.

Uma mensagem para quem nos está a ler neste momento.

Vou dar uma dica prática muito simples que, recentemente, mudou a minha vida para melhor.

Estes últimos tempos foram muito intensos e no início estava cheia de força, uma força que nem sabia que tinha, mas passados uns meses a viver a mil à hora comecei a sentir-me cansada, sem conseguir definir prioridades e muito ansiosa.

Sei, desde sempre, que a mastigação é muito importante e até achava que mastigava bem, mas um dia, numa conversa entre amigos, alguém disse que uma das técnicas mais eficazes para mastigar bem é pousar os talheres entre cada garfada, e decidi experimentar.

Em menos de 1 semana comecei a ter resultados surpreendentes: maior clareza mental; a sentir-me com muito mais energia (a mastigação permite uma melhor absorção dos nutrientes); os humores estabilizaram; o stress constante e os pensamentos menos bons desapareceram e ainda perdi uns kg que tinha a mais.

Já passou mais de 1 mês e sinto-me cada vez melhor. O que comemos é importante, mas a forma como comemos também. Experimentem, faz mesmo diferença.

E mastigar é muito importante, mas a mensagem que quero deixar aqui hoje tem um peso bem maior na balança da felicidade… muitas vezes damos as coisas boas e as pessoas especiais das nossas vidas como um dado adquirido… a verdade, nua e crua, é que a vida pode mudar drástica e radicalmente de um momento para o outro, num piscar de olhos… eu achava que estas coisas só aconteciam aos outros, ou nos filmes, mas não.

Por isso, cuidem bem, muito bem, as pessoas que amam, e façam-no todos os dias, com um abraço, uma flor ou um sorriso, não interessa como, mas que seja todos os dias.

Se queres algumas receitas deliciosas, espreita este artigo, a Marta fez questão de sugerir coisinhas deliciosas (e claro, muito saudáveis) para uma Refeição em Família.

Tenho a certeza que vais adorar. Clica aqui para ler o artigo!

Lê também estes Artigos

Sem Comentários

Deixar Resposta