Arquivo de Desabafos - Página 2 de 10 - Birras em Direto
Browsing Category

Desabafos

A comparação

Eu sei que a tentação de compararem gémeos é mais forte e que dificilmente as pessoas se conseguem controlar nos comentários. Eles têm apenas 9 meses e não compreendem mas a Mãe sim, a Mãe ouve, a Mãe fica a pensar neles, naqueles que chegam a ser ofensivos.

A Diana é bonita mas o Diego é muito mais!

A Diana sorri mais que o Diego, ele não é muito simpático!

O Diego deve ter algum problema, está sempre a chorar!

Como eu muitas de vocês devem ouvir estes comentários e mais alguns referentes ao/s vosso/s filho/s. Dar a resposta certa na momento às vezes é difícil e ficamos a remoer naquilo que nos disseram, só passadas algumas horas é que pensamos que podíamos ter respondido à letra.

Se não gostamos de ser comparados porque o fazemos com os outros? A comparação entre gémeos pode futuramente gerar muitas brigas e até insegurança. Cada criança tem a sua personalidade e embora tenham nascido no mesmo dia, até os gémeos verdadeiros são bem diferentes. Segundo alguns especialistas, comparar as crianças ou elogiar uma e apontar o erro da outra são os piores erros na educação de gémeos e também entre irmãos de idades diferentes.

Não vamos massacrar nem vamos permitir que o façam com um dos nossos filhos ao compará-lo com o outro, principalmente em momentos de conflitos ou raiva. Os pais são os primeiros a caírem neste erro, eu não sou exceção à regra mas ao ouvir esses comentários do exterior comecei a cair em mim. Pensei neles, na formação da sua personalidade, nos medos, na insegurança, em tudo o que as crianças podem sentir e acreditem que este tipo de situações podem ser transformadoras na vida dos nossos filhos. Cuidar deles, amá-los, dar-lhes uma infância feliz é o nosso objetivo…

A Diana e o Diego terão as suas identidades espelhadas um no outro eternamente e o jogo das comparações dificilmente irá ter um final mas vamos tentar desfrutar das suas diferenças 🙂

Um beijinho grande

Estou à tua espera também noInstagram e no Facebook

Só tens de me seguir 🙂

Foca-te no que realmente interessa e faz por ti!

Às vezes depositamos demasiada atenção no que não interessa, mergulhamos em algo que nos faz mal e dificilmente saímos sem as famosas crises de ansiedade. Temos ouvido falar cada vez mais nesta teia que nos agarra e nos consome.

Acumulamos os problemas ao ponto de formarem uma bola de neve e que rapidamente nos arrasta pelo precipício. É urgente separarmos bem o que REALMENTE é importante na nossa vida e o que apenas devia estar lá como objeto de adorno. As pedras no nosso caminho são constantes mas são com elas que temos de aprender, temos de as retirar e prosseguir sem olhar para trás.

Quero regressar à minha profissão mas será que há lugar para mim?

São quase 23h, as crianças estão a dormir, a casa está organizada, o dia seguinte está planeado e decidi refletir sobre o meu futuro profissional… Um futuro incerto mas nada confuso na minha cabeça! Sei bem aquilo que quero, tenho alguns projetos em mãos que vão avançar brevemente mas apesar de os adorar, o meu coração continua a bater freneticamente pela minha área profissional. As borboletas aparecem na minha barriga sempre que me visualizo na situação e acreditem que consigo sentir que já é realidade.

A partir do momento que abracei a maternidade tive de fazer uma escolha, tomei a decisão mais difícil da minha vida. Optei pela minha família e deixei para trás um emprego de sonho para muitos! Apresentava um programa de turismo e viajava pelo mundo para dar a conhecer os mais belos locais. Sou licenciada em jornalismo mas o entretenimento sempre falou mais alto que a informação. Despedi-me pois o meu filho, na altura com apenas 2 anos, começou a sentir a minha ausência, a sua insegurança começou a ser bastante notória, a revolta estava presente, deixou de dormir na escola, pouco comia e perguntava constantemente por mim. Um emprego que exige que fiques fora durante semanas não combina com a maternidade mas trabalhei horas a fio e nunca me queixei porque amava realmente o que fazia.

A menina do Papá

Ele diz que ela olha para ele com outros olhos, que assim que chega perto dela sente uma admiração extrema e diz que é recíproco. Eu passo os dias inteiros com os gémeos, sei distinguir cada movimento e cada som e posso confirmar que o que une aqueles dois é bem especial.

Acho muito bonito pois quero projetar na relação dos dois, a relação que tive e tenho com o meu Pai. Sinto verdadeiramente que vamos ser muito amigas, as melhores amigas e quero ser para ela o que sempre ambicionei ter numa Mãe, não desvalorizando a minha. Dizem que nós quando nascemos, chegamos a este mundo mais aprimorados que os nossos Pais, por isso ambiciono o mesmo para os meus filhos.

A carta do neto ao avô

Quando nasci disseste à minha Mãe que me amavas, mas que o amor que um pai sente por um filho é muito maior.

Hoje, já te arrependeste do que disseste na altura, pois percebeste que o amor que sentes por mim cresceu de tal forma que já não o distingues daquele que sentes pela mamã.

Assim como a minha mãe eu vejo em ti um ídolo, sabias? Os meus olhos brilham mal te vejo, e sei que os teus espelham o mesmo e que darias a vida por mim.

Ele vence-me pelo cansaço

Fotografia Sugar & Soul Photography

O Rafael é uma criança com apenas três anos, é um miúdo cheio de energia e uma personalidade bastante forte. É carinhoso, educado, sociável, comunicativo, brincalhão, porém, e caso não lhe façamos as vontades, por favor, fujam da sua frente porque altera-se por completo.

Sempre pensei que as birras fossem amenizando com o passar do tempo, mas, sinceramente, acho que pioraram. Podem dizer-me que é normal, dado o nascimento dos gémeos e a natural divisão da atenção. Posso até compreender, mas não me peçam que a paciência seja a mesma. É desgastante e, sim, ele vence-me pelo cansaço. 

Como gerir ciúmes entre irmãos? Dicas aceitam-se.

Os ciúmes do Rafael ainda não chegaram, mas parte-me o coração saber que não consigo dar-lhe a atenção que ele quer.

O meu pai vai busca-lo todos os dias à escola e todos os dias ele janta na casa dos meus pais, uma ajuda fundamental que nos permite ter tudo ainda mais organizado. Chega à nossa casa por volta das 19h30 / 20h e quer logo brincar connosco, mas nem sempre é possível por causa dos manos. Para tentar contornar esta situação, tentamos fazer com que o Rafael também faça parte destes momentos em que tratamos dos gémeos. Estamos conscientes que não é suficiente, porque uma criança da idade dele precisa de brincar mesmo, mas não deixa de ser uma tarefa em que estamos todos juntos e isso já nos deixa a todos bem mais felizes.

Prioridades trocadas que mexem comigo!

Acho incrível a insensibilidade evidenciada por algumas pessoas na hora de definir / dar prioridades. Durante a gravidez não me quis chatear com este assunto, e raramente tomei atitudes, a não ser quando me incomodava seriamente, mas muito me arrependo. O meu marido chegou a chatear-se com isto, porque as pessoas fingiam que não viam que estava grávida e outras chegavam mesmo a dizer que não era doença.  Típico, portanto!

Quando o Rafael nasceu, não me aproveitei minimamente da minha condição. Só passava à frente quando ele estava mesmo muiiiiito irrequieto. Agora, com os gémeos, mudei totalmente a minha postura e chego a exigir. Faço-o porque é um direito nosso e este é o único momento em que podemos usufruir dele.

Fui mãe, e agora como me olho ao espelho?

Olhar-me ao espelho, ultimamente, não tem sido nada fácil, embora saiba que estas marcas no meu corpo espelham uma grande luta e amor.

Esta gravidez foi bastante difícil, a nível psicológico e físico, e passei por momentos bastantes complicados. Preparei-me para toda a logística que iria ter no futuro mas esqueci-me de me preparar para o reflexo que iria ter no espelho. Estou assustada e a tentar processar tudo e a aceitar(-me).

A minha barriga cresceu bastante, a pele esticou até ao seu limite, e as estrias apareceram nas duas semanas antes do parto. Na altura não valorizei, o foco era outro, mas hoje a realidade é outra.

Hoje, decidi fotografar-me, e encarar-me sem medos. Esta sou eu, agora. Mais pesada é certo, com outras formas, mas também mais recheada de amor. Não me sinto feia, não poderia fazer isso comigo (não o façam também, todas somos lindas), mas não estou confortável com a minha pele.