Engravidei e fui despedida...E agora? - Birras em Direto

Engravidei e fui despedida…E agora?

Não é a minha realidade mas é a de muitas mulheres, tenho amigas que passaram por esta situação e há pouco tempo recebi uma mensagem de uma seguidora a falar do mesmo.

Irrita-me, deixa-me fora de mim, não percebo como podem agir desta maneira principalmente na fase mais bonita, mais sensível de uma mulher. A fase que ela precisa de descanso, precisa de ter a cabeça sem preocupações e concentrar-se apenas na família. É tão frustrante quando oiço estas histórias.

Quando engravidei claro que me passou pela cabeça a mesma coisa, principalmente porque era apresentadora de um programa de turismo e sei que a logística de encontrar outra pessoa iria dar muito trabalho mas felizmente tudo correu bem.

A Mãe que me enviou uma mensagem falou-me um pouco da sua situação e dos seus grandes medos no futuro e é perfeitamente normal tudo o que está a sentir, o receio de não conseguir arranjar outro emprego, de não conseguir sustentar a família, que falte algo aos filhos…Tudo isto traz um sufoco gigante para aquela Mãe que devia ser proibido.

Claro que uma mulher que esteja grávida tem direitos mas não a protegem em todas as situações, existem algumas excepções…

Todos sabemos que na cabeça de alguns patrões as mulheres grávidas representam baixa produtividade, menos horas de trabalho e alguns meses sem trabalhar.

A verdade é que as mulheres já têm receio de ter filhos por poderem meter em causa o seu emprego. Esta é das maiores condicionantes para esperarmos pelo momento certo, falo disso aqui.

Conheço pessoas que chegaram a optar pelo emprego e excluíram a maternidade e também conheço outras que fizeram exatamente o contrário ( Eu ). Podem ler a entrevista que dei à Revista Crescer aqui, fala sobre a minha escolha.

O Pai nunca tem medo de ter filhos, nunca é prejudicado, a Mãe é quem acarreta o peso da responsabilidade de ter mais um filho, é quem sofre as consequências profissionalmente. Uma mulher não pode ser feliz e sentir-se completa nas mais diversas áreas da sua vida? Parece que a sociedade não permite.

Quando engravidei tive colegas de trabalho que me chegaram a dizer que o meu futuro na empresa tinha os dias contados. Nem queria acreditar no que ouvia, como é possível termos de sentir esta pressão profissionalmente se já temos tantos medos, inseguranças e incertezas durante os 9 meses de gravidez. Fiz um vídeo onde falo sobre isso, vejam aqui.

Pesquisei um pouco sobre os direitos das mulheres grávidas e seguem as respostas a alguma das vossas dúvidas:

  • Podem despedir-me com a justificação de estar grávida?

Não, isso é ilegal pois a gravidez não é considerada justa causa para despedimento.

  • Porque posso ser despedida durante a gravidez?

A entidade empregadora pode não renovar contrato e isso acontece em qualquer altura, estando grávida ou durante a licença de maternidade. Aqui não têm de alegar justa causa para despedirem nem justificar a decisão.

  • Como posso saber os meus direitos enquanto trabalhadora grávida?

Dá uma vista de olhos aqui. Não te esqueças se estás a passar por uma situação de despedimento ilegal, deves contactar a CITE – Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego e expõe o teu caso, mesmo que tenhas dúvidas se será ou não ilegal contacta na mesma, não tens nada a perder.

Infelizmente esta é uma situação recorrente nos dias de hoje mas eu tenho a certeza que nós conseguimos dar a volta por cima e acima de tudo ganhamos força pela nossa família, pelos nossos filhos. 

E vocês conhecem histórias deste género? Já vos aconteceu?

Um beijinho grande

Estou à tua espera também no Instagram e no Facebook 

Só tens de me seguir 🙂

Lê também estes Artigos

Comentários (3)

  • S. 6 meses ago Responder

    Olá Marta.
    Acabo de estar nessa situação. A minha anterior empresa em relação às grávidas sempre foi muito especial. Estive 7 anos lá, não sei como, mas quando engravidei à 4 anos fiquei. Contam-se pelos dedos de uma mão as pessoas que engravidaram e ficaram (2 ao todo) em muitas que por lá passaram. Levei a gravidez toda com ansiedade à espera de uma carta de despedimento. Trabalhei até ao final da gravidez (uma semana antes da minha filha nascer), porque não senti tanto a necessidade de baixa, mas para tentar assegurar o emprego, não tive “direito” às horas de amamentação, porque isso era impensável para ele, no máximo ficava a “part-time” com o ordenado correspondente. Agora voltei a engravidar, mas sabia que a probabilidade de me dispensarem era grande. O motivo da dispensa nunca é a gravidez é sempre rescisão do posto de trabalho, não tive sequer hipótese de colocar baixa, porque comuniquei num dia e no outro fui logo dispensada (aconteceu agora no início de julho). A entidade paga o que tem que pagar e não quer saber de mais nada, da camisola que sempre vestis-te, das horas que deste à empresa a mais, dos sacrifícios que fizes-te em prol da empresa. Deixas de ser uma óptima funcionária para não seres ninguém. Hoje estou de baixa (porque podemos colocar mesmo não estando a trabalhar) e depois tenho o fundo de desemprego (que ficou suspenso), não vou baixar os braços, fecha-se uma porta e abrem-se muitas janelas. Ao menos estou a viver esta gravidez menos ansiosa e nervosa e tenho tempo para tudo.
    Para mim, não é nem vai ser o fim do mundo, temos que acreditar em nós e em quem somos.
    Bjinhos

  • Ana 6 meses ago Responder

    Eu!
    Eu engravidei numa altura que não dava jeito, sou professora e estava a dar aulas num 4 ano e havia exames.. isto ia prejudicar o ranking!
    E pior ainda.. não pedi autorização! Sim, é verdade.. onde trabalhavam pediam o favor de avisar se estávamos a pensar em engravidar. Soube de mulheres que ouviram um “fica com esta turma mas como já trocaram de prof uma vez não pode engravidar nos próximos 3 anos!”
    Não tiveram respeito nenhum pela minha gravide e duvidaram de mim qd pus baixa um mês antes de nascer..
    Qd cheguei tinha a caminha feita. Deixaram acabar o ano (assim a bebe já tinha 1 ano) e disseram q havia profs a mais. 😑
    Uma tristeza!
    Hoje em dia estou muito melhor e até lhes agradeço (no ensino público isto não acontece).
    Mas custou bastante passar por isto!

  • Cátia 6 meses ago Responder

    Infelizmente sei bem o que isso é..
    Estava em casa com uma gravidez de risco quando recebi a carta a dizer que ia ser despedida😐
    E muito frustrante passar 9 meses a pensar no que vai acontecer a seguir porque não tenho emprego e porque sabemos que não é fácil nos contratarem com bebes pequenos..
    Mas tudo se resolve é preciso ter fé e acreditar😘

Deixar Resposta