Adeus Stress, Olá Cabo Verde - Birras em Direto

Adeus Stress, Olá Cabo Verde

Só pensava em descanso e assim foi…Viajámos até Cabo Verde.

Quando estávamos a escolher o destino de férias deste ano, pensámos logo que teríamos de voltar a fazer viagens internacionais pois ficaram suspensas desde que engravidei do Rafa. Foram vários os locais eleitos mas tínhamos muita vontade de conhecer Cabo Verde. A Ilha do Sal foi a nossa escolha e a família Rodrigues Ladeira lá embarcou até terras africanas e claro deliciou-se nos 7 dias que lá ficou.

Estava com muito receio da viagem de avião com o Rafael. Como iríamos entreter uma criança, que transborda energia, durante 4 horas? No aeroporto já toda a gente sabia o nome do pestinha, estava super excitado com toda aquela agitação, corria pelos corredores intermináveis, queria comprar tudo e mais alguma coisa e claro fez-me andar atrás dele, andar não…correr!!!

Durante a viagem acalmou e como eu me preveni com algumas coisas para o entreter até se portou bem (livros de atividades, lápis de cera, carrinhos e fiz download de alguns vídeos da Netflix , basicamente desenhos animados que ele gosta).

Ficámos hospedados no Hotel Oasis Belorizonte mesmo junto à vila, ao pontão e em frente tinha uma praia lindíssima com água cristalina e quentinha, a praia de Santa Maria. Só de pensar até apetece voltar.

Gostámos imenso do hotel, tinha animação durante o dia e durante a noite, a comida era ótima, os funcionários eram todos muito simpáticos e os animadores super divertidos, o quarto estava sempre limpinho o que é muito importante. O único ponto menos favorável é o facto do wifi ser pago mas por outro lado aproveitámos para fazer um detox do mundo digital e foi muito bom! Escolhemos este hotel por estar muito bem localizado, a 5 minutos a pé da vila de Santa Maria e como o conceito é diferente pois em vez do hotel tradicional com vários quartos num edifício o que encontramos são pequenas casinhas (bungalows) junto à praia. O hotel tem bastantes anos, é um dos mais antigos mas foi todo remodelado há pouco tempo por isso está como novo. É sem dúvida um hotel excelente para as famílias, pelo menos o meu pequeno reguila adorou e ainda hoje não pára de falar de Cabo Verde, das piscinas, dos amiguinhos que fez, das brincadeiras… 

Conhecemos bastantes famílias portuguesas durante a nossa estadia e o mais interessante foi a troca de experiências pois como pais de primeira viagem ainda temos tanto para aprender.

Não foram apenas portugueses que conhecemos em Cabo Verde, foram cabo-verdianos, foram senageleses, foi gente muito boa e acolhedora. Conhecemos histórias incríveis e eu vou contar-vos uma…

Estávamos a passear no pontão, a ver o peixe chegar como é hábito todas manhãs e fomos surpreendidos por um rapaz que vendia búzios, pedia apenas 1€ por cada mas algo nos fez ficar ali, queríamos conhecer a história daquele cabo-verdiano. Teve uma filha que nasceu com apenas 6 meses, os médicos não acreditavam que iria sobreviver mas resistiu e hoje chama-se Vitória, nome dado pelos pais devido à batalha da vida, ganha logo à nascença. Não é da Ilha do Sal mas trabalha lá pois é o único local onde consegue ganhar dinheiro, o pouco que ganha é para enviar para a família. Vai ser pai novamente e esperemos que corra tudo bem. Fomos embora mas ficou-nos na cabeça aquela amabilidade e resolvemos voltar no último dia com o propósito de lhe dar algumas coisas que certamente iriam fazer mais falta a ele que a nós, como por exemplo alguns medicamentos que levei caso fosse necessário. Demos-lhe também alguma comida mas de imediato disse que iria distribuir pelas crianças que estavam no pontão.

Tanta generosidade com tão pouco. É lindo de se ver!

Foram dias magníficos, passados entre as piscinas do hotel, a Praia de Santa Maria, de areia branca e fina vinda do deserto do Saara e água de um azul profundo.

Fomos à Vila conhecer aquele povo simples e com um sorriso aberto, ao pontão ver o peixe chegar, às lojas e bancas de rua comprar lembranças e a muitos outros sítios…Lidámos sem dúvida com um povo acolhedor, muito simpático e muito respeitador. Andámos sozinhos por todo o lado e sentimo-nos seguros.

Uma coisa que fizemos e iremos fazer sempre nas nossas viagens….Levámos uma mala cheia de roupa, calçado e brinquedos para dar e como não sabíamos onde deixar indicaram-nos a Associação Castelos do Sal. Foram todos muito simpáticos connosco, o brilho no olhar daquelas crianças ficará para sempre no nosso coração.

Fomos também fazer uma volta à Ilha, visitámos a Buracona (piscinas naturais que se formaram devido à força do embate do mar nas rochas vulcânicas) Olho azul ( quando o sol reflete na água fica com a forma de um olho azul), as Salinas, passeámos por alguns bairros e claro vimos a realidade pura e dura em que vivem muitas pessoas naquela local. Sabem quanto é o ordenado mínimo? 100 euros e não pensem que as coisas são muito mais baratas que aqui. Conhecemos muitos casos que nos deixaram com lágrimas nos olhos… Custa? Custa muito mesmo! Mas não vi ninguém a queixar-se e sim com um sorriso no rosto. Como é possível? Andamos constantemente preocupados e tristes por tão pouco quando os problemas destas pessoas são muito maiores.

Que viagem enriquecedora!

Falando agora nos pontos turísticos…

Tivemos de pagar 3€ por pessoa para entrar e visitar a Buracona e o Olho Azul. As piscinas estavam interditas naquele dia com muita pena nossa pois o dia convidava a um mergulho. Estava muito calor, levámos garrafas de água, protetores solares, chapéus e ainda bem que o pequeno autocarro que nos levou a fazer a visita tinha ar condicionado, caso contrário seria quase impossível desfrutarmos.

Relativamente ao Olho Azul, devo confessar que estava à espera de mais, o facto do sol refletir na água e ter aquele efeito é lindo, mas tivemos 1 hora na fila e 5 segundos a observar o “fenómeno”. 

Assim que chegámos às Salinas (pagámos 5€ por pessoa), o Rafa já estava cansado mas o Pai estava entusiasmado com o facto de entrar numa água 26 vezes mais salgada que a água do mar e não ir ao fundo. Parecia uma criança. 🙂

Adorámos a visita e ainda estávamos curiosos e muito ansiosos com um jantar que iríamos ter no famoso Restaurante Funaná. Degustámos a comida típica de Cabo Verde ( ai a cachupa era de comer e chorar por mais ) e assistimos a um excelente espetáculo, muita música e dança à mistura. Foi tudo extraordinário.

Este é sem dúvida um local que espelha a cultura cabo-verdiana. Ainda bem que fomos!

Agora ficam apenas as saudades daquela terra tão linda, com gente tão pura e claro trouxemos lembranças para nunca mais nos esquecermos. Ficámos muito contentes por o Rafa ter partilhado toda esta experiência connosco, provavelmente não se lembrará mas existem muitas fotos e vídeos para mais tarde recordar. Foi muito bonito ver a inocência do seu olhar ao presenciar uma realidade tão distinta da nossa, o facto de não haver barreiras entre ele e todas aquelas crianças que provavelmente sem muito para comer e vestir mas com tanta alegria.

Foram sem dúvida momentos intensos e que deixam uma grande marca.

Obrigada Ilha do Sal – Cabo Verde por nos teres recebido tão bem. Queremos voltar!

Curiosidades:

  • Não é necessário levar vacinais específicas para viajarmos para Cabo Verde
  • A moeda é o escudo mas aceitam euros em todos os locais
  • Não é aconselhável beber água sem ser engarrafada (atenção também ao gelo)
  • Protetor solar 50+ todos os dias e várias vezes ao dia ( o tempo está quase sempre nublado mas queima bastante por isso cuidado com os escaldões )
  • Fui picada pelos mosquitos, não se esqueçam de levar repelente
  • O clima é húmido e quente
  • A Ilha do Sal tem apenas 30 km de cumprimento e 12 km de largura
  • Nunca é demais referir que esta linda ilha tem um povo encantador

Apaixonei-me por Cabo Verde!!! E vocês? 

( Birras em Cabo Verde? Também existiram…O Rafa não as deixou em Portugal ahahah )

Morabeza é sem dúvida sinónimo de Cabo Verde! 

Beijinhos

PS: Se gostaste deste Artigo e queres receber os próximos em 1ª mão pelo Messenger do facebook CLICA AQUI para subscreveres a minha Lista Exclusiva e tão Especial do Birras em Direto

Lê também estes Artigos

Comentários (3)

  • Elsa Barbosa 8 meses ago Responder

    Tbm já visitei cabo verde mas a ilha da Boavista e partilho da mesma opinião são um povo tão amável e agradecido. Têm tão pouco no entanto dão graças e nunca se queixam.
    Tbm ouvi histórias que nunca esquecerei.
    Levamos uma mala de material escolar e fomos levar a uma escola e tb levamos guloseimas… Adoraram 😊
    Adorei cabo verde e adoraria voltar…
    Beijinhos e adoro a vossa família

  • Liliana 1 ano ago Responder

    Como é bom ver esta familia 😀 …. voces são um miminho …. Beijooooooo

    Beijo grande 🙂

Deixar Resposta